10-tendencias-ecommerce

10 tendências de e-commerce para 2017

O comércio online encontra-se em franco crescimento. São cada vez mais as pessoas que optam por comprar pela Internet, ao invés de perderem tempo em deslocações, percorrer os corredores das lojas e esperar em filas para pagar. Tudo se vende online e nada fica por comprar, mas é necessário que as lojas se adaptem às novas tendências para que não fiquem para traz nesta corrida.

1 – Black Friday e Cyber Monday já eram!

A “Sexta-feira Negra” de promoções que tem a sua origem nos Estados Unidos, está completamente dissipada pelo mundo online. Mas de sexta-feira, este dia já se alastrou para a semana que a antecede e o próprio fim-de-semana seguinte, sendo colmatado com a Cyber Monday. As promoções e descontos em muitas lojas e muitos produtos são de facto aliciantes, mas todos os anos deixamos o alerta para possíveis fraudes que possam surgir e para a importância de comparar preços e de estar atento à sua evolução.

A questão é que acaba-se o mês de Novembro com promoções que, de ano para ano, abrangem cada vez mais dias. Assim, Novembro passará, todo ele, a ser o mês das promoções que antecedem o Natal. Cyber November está a chegar!

2 – Customização em tempo real

Os consumidores são todos diferentes. Apesar de, por norma, seguirem as tendências, todos têm as suas preferências e são cada vez mais exigentes. Este ano, as lojas de vendas online terão que ser capazes de se adaptar a cada diferente consumidor, em tempo real.

3 – A melhor descrição de um produto

Dizer apenas que tem determinado produto para venda já não é suficiente, o consumidor precisa de saber tudo sobre ele. Se determinada loja não coloca uma imagem, tem uma boa descrição do produto… provavelmente, o consumidor vai a outra loja procurar essas informações acabando por comprar nessa outra.

4 – Inteligência Artificial

Este será o ano dos Chatbots, ou seja, os serviços de conversação que estarão à disposição dos clientes, “conversando” com eles e dandos-lhes indicações de forma rápida e totalmente automatizada. São já imensas as marcas que o fazem através de serviços próprios ou de terceiros, como o Messenger do Facebook ou próprio Twitter.

5 – O fim das carteiras

Os pagamentos online, os pagamentos com smartphone, smartwatch ou qualquer outro wearable, serão cada vez mais utilizados, o consumidor cada vez menos andará com dinheiro ou o cartão de crédito.

6 – Vendas nas redes sociais

As redes sociais têm um impacto brutal. São raros os utilizadores assíduos da Internet que não têm conta numa rede social e que estão dispostos a descobrir e a comprar produtos através delas.

7 – Previsão daquilo que serão as compras

Através da análise ao perfil dos clientes, das suas pesquisas na loja, será fácil para os vendedores perceberem o que é que o cliente pretende comprar.

8 – Entregas personalizadas

É a chamada “Uberização das entregas”. Os consumidores vão ter acesso aos produtos que adquiriram online no próprio dia da compra, nas suas casas, locais de trabalho ou em algum ponto de entrega, os chamados drop-off points.

9 – Comércio Unificado

A loja física que não tenha loja online começa hoje a ficar para traz na corrida das vendas. Este ano, teremos que ver ainda mais lojas a adoptar este sistema de vendas em dois formatos, numa infra-estrutura centralizada.

10 – “Desintermediação”

O papel dos retalhistas pode começar a ser colocado em causa. Os clientes que andam pela Internet preferem, cada vez, ter um contacto directo com as marcas do que com os intermediários.

Fonte: Pplware